Militantes do Principal Partido da Oposição angolana, UNITA dizem que “intolerância política” do MPLA mantém-nos longe das suas casas

O Principal Partido da Oposição angolana, UNITA, revela que falhou, na última semana, devido a sinais de tumulto, a tentativa de regresso de centenas de militantes seus a uma zona do município de Benguela, província com o mesmo nome, 17 meses após uma fuga motivada pelo que chama de intolerância política.

O partido acusa grupos do MPLA de retirada de duas bandeiras no bairro 23 de Março, onde estiveram agentes da Polícia Nacional, naquele que considera ter sido o sinal de que o regresso teria de ser adiado, permanecendo os militantes longe das suas casas.

Em Dezembro de 2021, confrontos entre militantes da UNITA e do partido no poder, como reportou a FMFWorld.Org, provocaram feridos e destruição de casas e comités partidários, com acusações de violência feitas pelas duas partes.

Hoje, pouco depois do mês dedicado à paz e reconciliação nacional em Angola, 4 de Abril, o secretário comunal do “galo negro” na zona D, Anastácio Pepeca, diz que grupos de militantes do MPLA continuam a inviabilizar o regresso.

Ele acusa o coordenador zonal de estar a preparar actos de intimidação, o seu partido espera por uma posição da Polícia antes de um eventual recurso aos tribunais.

“Nós deixámos lá as pessoas, a Polícia esteve lá na semana passada, mas as famílias voltaram a sair porque ele (coordenador) prometeu retaliar, e já existiam amontoados de grupos ao redor do bairro. Amanhã vamos ao Comando da terceira esquadra, se não for resolvido vamos a tribunal”, indicou o secretário, acrescentando que “duas bandeiras nossas foram retiradas”.

A FMFWorld.Org continua a aguardar um pronunciamento da Polícia, como prometido pelo Comando Provincial, a propósito da situação no 23 de Março.

O coordenador de zona e membro do MPLA, Severino Domingos, em declarações à Rádio Ecclésia, fala em oportunismo de militantes da UNITA, salientando que o bairro das famílias em causa deve ser um outro.

“Se fosse o que eles estão a dizer … eles estão a se juntar, pessoas que nunca viveram aqui, estão a chamar pessoas do Calohombo, se calhar do Cubal. Isto para dizer que são muitos, o bairro só está há dois anos e tem desenvolvimento, o deles não é aqui, é onde está o comité deles”, argumenta o coordenador.

Arrendamentos e familiares são a alternativa dos cidadãos que tencionam regressar ao bairro.

Observadores políticos acreditam que os dois maiores partidos pretendam a hegemonia política numa zona que vem crescendo em termos demográficos.

Se o Governo central, por ocasião do 4 de Abril, reafirmou a importância de um clima de paz entre os angolanos, já neste domingo, numa mensagem de saudação, o Presidente João Lourenço disse que a cultura de paz deve ser cultivada a partir das famílias.

Coordenador de zona e membro do MPLA, Severino Domingos, fala em oportunismo de militantes da UNITA.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments