África: A Política do homem forte ainda contínua destruir África

0
249

A liderança Africana tornou-se um “clube de meninos” de antigos movimentos de libertação que pretendem manter o poder a todo custo.

Os locais mudam, mas a história é semelhante em todos os casos. Os movimentos de libertação usam violência e repressão para manter o poder, independentemente da vontade do povo.

Em uma semana em que o mundo esteve intensamente focado nas eleições presidenciais dos EUA, a agitação política está se intensificando em nosso próprio continente e está sendo enfrentada por chavões distantes dos líderes africanos.

Parece que todas as semanas, como africanos, somos obrigados a testemunhar a destruição e o enfraquecimento da democracia no nosso continente.

Na semana passada, a Costa do Marfim, foi a última edição dessa história que se desdobrava enquanto o país realizava sua eleição presidencial.

A eleição foi marcada por violência, assassinatos e um eventual boicote de eleitores da oposição. Mais de 30 civis foram mortos em protestos. Mas não é aí que o assunto termina.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), mais de 3.000 pessoas fugiram da Costa do Marfim para buscar refúgio em países vizinhos, como Libéria, Togo e Gana.

Numa breve declaração conjunta de dois parágrafos com Ecowas e a ONU, a UA apelou à Costa do Marfim para aceitar o resultado da eleição e, bem, seguir em frente.

Não se trata apenas de uma liderança impotente, mas convenientemente ignora a crise humanitária que se desenrola na região como resultado da eleição que viu Alassane Ouattara, ganhar um terceiro mandato com mais de 94% dos votos.

O ponto pertinente aqui é que tais ocorrências estão constantemente e cada vez mais acontecendo na África, e a UA não quer ou não pode resolver o assunto de maneira eficaz.

Já passaram 3 anos desde que João Manuel Gonçalves Lourenço Presidente de Angola assumiu do Presidente da República de Angola.

Durante esse tempo, testemunhamos uma onda de supostas violações dos direitos humanos – detenções ilegais, torturas e supressão dos direitos dos jovens – que ganharam atenção internacional.

Da Nigéria ao tráfico de pessoas e à detenção por motivos políticos do candidato à presidência de Zanzibar-Tanzânia, os abusos dos direitos humanos continuam inabaláveis.

UMA FALHA DE VONTADE

A UA falhou em “promover e proteger os direitos humanos no continente” de acordo com o Artigo 3 (h) do Acto Constitutivo da União Africana. Isso ocorre porque a liderança africana se tornou um ‘clube de meninos’ de antigos movimentos de libertação com a intenção de manter o poder a todo custo. E a história da maioria das nações pós-coloniais da África é a mesma.

Primeiro vem a era do domínio colonial – injusto e explorador. Em seguida, vem a independência junto com um novo governo eleito democraticamente. Em seguida, seguiram-se anos, até décadas, de opressão pelas mesmas pessoas que deveriam libertar. Esta é a história do nosso continente: movimentos de libertação que falham no seu papel de partidos governantes.

Vimos, uma e outra vez, os libertadores chegarem ao poder em meio à fanfarra da revolução, apenas para se curvarem às tentações do clientelismo e da corrupção.

Vimos uma ladainha de presidentes Big Man acumulando riquezas em uma escala inimaginável para os cidadãos comuns. Temos visto décadas de governo de um partido, em toda a extensão do nosso continente, obliterar qualquer senso de responsabilidade para com o povo.

Por esta razão, solicitei uma sessão urgente da Comissão Africana para intervir na rápida escalada dos abusos dos direitos humanos em África. Este órgão quase judicial tem a tarefa de responsabilizar os governos africanos pelas suas obrigações de direitos humanos como partes da Carta Africana, e imploraremos que realize formalmente uma sessão para resolver com urgência a miríade de abusos em vários Estados membros.

Precisamos estar juntos em toda a África e enfrentar os ditadores e continuar a luta pela democracia, eles requerem o apoio institucional dos próprios órgãos mandatados para isso.

Agora é a hora de encerrar o ciclo. A África requer uma liderança nova, jovem e capaz, sem vínculos com os movimentos de libertação do passado. Reconhecemos sua contribuição para o nosso continente, mas agora proclamamos com ousadia que é hora de romper com o passado e de se comprometer com o futuro.

 Temba Museta

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here