Angola: Carta Aberta á “António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas”

0
392
FRENTE REVOLUCIONÁRIA PARA À INDEPENDÊNCIA SOCIOLÓGICA E INTEGRIDADE DA LUNDA-TCHOKWÉ (FRISILT)
 
À
Sua Excelência Dr. António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas
=NOVA-IORQUE=
 
Assunto: COMUNICAÇÃO.-
 
Excelência;
Antes de mais nada, em primeiro lugar rogamos a V/Excelência, que esta carta lhe chega as mãos em nosso nome, desejando-lhe um óptima saúde na companhia de todos que juntos labutam diariamente em prol da Comunidade.
 
Excelência;
Temos a noção exacta de que queira as nações unidas e pessoas de boa-fé lutam para o bem comum, mas alguns não acatam as normas que têm sido aprovadas pelo órgão que V/Excelência dirige.
 
Excelência;
Esta nossa missiva surge na sequência dos últimos acontecimentos ocorridos na vila mineira de Cafunfo, onde foram barbaramente assassinados centenas de cidadãos, pelo executivo liderado pelo senhor João Manuel Gonçalves Lourenço.
 
Excelência;
Como não bastasse mesmo com os repúdios da Comunidade internacional, esses comunistas não escutam e continuam a massacrar a população em toda extensão do nosso território. Neste preciso momento o senhor presidente de Angola e o seu executivo estão a movimentar efectivos militar e policial, que estão a cercar o nosso território, levando consigo diversos tipos de armamentos.
 
Excelência;
Para o vosso conhecimento informa-se que a área de Cafunfo, Kuango, Capenda-Camulemba, Kaungula, Kalonda, Lucapa e Zanje, a população, não tem liberdade até simples segurança tem a ordem de matar qualquer pessoa que seja Lunda-Tchokwé, como aposta do presidente angolano e o seu executivo.
 
Excelência;
Se esta é a pretensão do executivo angolano e do seu partido-MPLA, o que é que este povo deve fazer?
Será que os diamantes só se encontram aqui e não em outra parte do país deles?
 
Excelência;
Existe alguma norma do direito internacional que admite que um estado mata discriminadamente a sua população alegando que o país é democrático e de direito?
 
Excelência;
Essa prática de matar os Lunda-Tchokwé, não começou hoje e nós temos sempre apelado a Comunidade internacional mesmo eclesiásticas, mas nunca nos deram ouvidos, menosprezando assim os nossos apelos.
 
Excelência;
Como já fizemos vários apelos e ninguém nos responde, agora optamos em contra-atacar, mas pelo que estamos a ouvir, falam em rebelião e neste momento o senhor João Manuel Gonçalves Lourenço, está a utilizar o senhor Muatxissengue José Estevão, Rafael Morais Marques e os policiais do Comando geral de Angola, para mobilizar a população e jovens para deixar de reivindicar o seu direito de autodeterminação em troca de valores monetários.
 
Excelência;
O senhor presidente de Angola, não nos conhece muito bem e só costuma ouvir falar dos Lunda-Tchokwé e não conhece a sua filosofia. Em tempo informamos que as armas que estão sendo enviadas são poucas e se quer mesmo acabar com este povo, é melhor ligar a linha férrea do Moxico para todo o território onde poderá trazer qualquer tipo de armamento.
 
Excelência;
O nosso silêncio não acontece em vão, temos estado a esperar de alguma coisa e na hora da verdade ninguém, mais ninguém poderá nos persuadir em parar com as nossas acções.
 
Excelência;
Nós não somos a UNITA, que levou a cabo uma guerrilha de 27 anos e era obrigado a intervenção da Comunidade Internacional para acabar com a guerra, que pelos vistos era uma guerra de luta de cadeira e satisfazer os interesses.
 
Excelência;
Considerando que o executivo angolano está apostado em armas biológicas cuja pretensão é dizimar a população Lunda-Tchokwé, que estão sendo adquiridas através da China, onde o Império está a viver o estado de sítio com tropa armada na via pública, como forma de intimidação tendo em conta esses insultos, vimos por este informar o seguinte:
 
  • 1- Que até nos finais deste ano se o executivo do senhor presidente Dr. João Manuel Gonçalves Lourenço, não retirar a sua Administração Pública em toda a extensão do império, Luanda está submersa com um caudal de água jamais visto.
  • 2- Que caso não acatarem este nosso conselho os militares que se encontram nas matas não terão saída e toda a responsabilidade será do executivo angolano, que teimosamente persistem manter o império sob a tutela dos angolanos.
  • 3- Que tudo que acontecer aos estrangeiros que se encontram na capital angolana, será da inteira responsabilidade do executivo angolano e os seus aliados, Russos, Chineses, Cubanos e Filipinos.
  • 4- Uma vez que a situação do império depende de Portugal, entidade que está na base do PROTECTORADO, tudo que acontecer na capital angolana, caberá ao estado português informar as nações unidas, a SANTA-SÉ e a Comunidade internacional.
 
Excelência;
Esta é a posição que foi tomada pelo NGOLA KILULANJE KIA-SAMBA (NGOLO KUFWA MUAKA KUMULILA MUAKA), já que o senhor presidente de Angola quer assistir este tipo de teatro para ser registado na história a semelhança de Adolf Hitler.
 
Excelência;
Na nossa tradição existe uma parábola que diz: “Kuhamikina kakweji kutala kwilu”, portanto, traduzindo significa dizer, “se alguém duvida sobre a aparição da Lua nova, deve observar no céu e não duvidar por duvidar”.
 
Excelência;
Em suma, este é o nosso apelo a Comunidade internacional e as nações unidas.
 
Excelência;
Para terminar auguramos votos de compreensão e subscrevemo-nos com estima e apreço.
Lunda, 18 de Maio de 2021
 
ATENCIOSAMENTE
 
NGOLA KILUANJE KIA-SAMBA (NGOLO KUFWA MUAKA KUMULILA MUAKA)
 
 
 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here