Angola: Carta aberta á Dr. “Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa”,Presidente da República de Portugal

0
339
FRENTE REVOLUCINÁRIA PARA À INDEPENDÊNCIA SOCIOLÓGICA E INTEGRIDADE DA LUNDA-TCHOKWÉ (FRISILT)
 
À
Sua Excelência Dr. Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa, Presidente da República de Portugal
 
=LISBOA=
 
Assunto: DENÚNCIA.-
 
C/c
-Nações Unidas,
-Corte Internacional de Justiça das Nações Unidas -Direitos Humanos
-PGR-Portuguesa
-Supremo Tribunal de Justiça Portuguesa
-Partido Comunista Português
-Partido Social Democrático (PSD)
-Partidos Políticos angolanos
-Assembleia Nacional de Angola
-PGR-Angola
-Tribunal Supremo – Angola
-União Africana
 
Excelência;
Por meio desta rogamos humildemente a V/Excelência, que esta carta lhe chega as mãos em nome deste martirizado povo, desejando-lhe um óptima saúde, na companhia da sua família e dos seus colaboradores, que juntamente trabalham em prol do povo português.
 
Excelência;
Antes de tudo em primeira mão gostaríamos, em poucas palavras enfatizar algumas palavras que achamos ser pertinentes ou mais ideais para que possamos ser entendidos já que na nossa fraca capacidade de análise e longe da língua que V/Excelência fala, feita esta analogia extensiva embora não somos portugueses, mas sim Judeus, de uma ou de outra maneira conseguimos interpretar os conceitos que esta língua contém.
 
Excelência;
Embora africanos alguns de nós estudamos na era que África esteve sob o domínio dos europeus, mas além desta cultura europeia que não difere muito de outras culturas, estivemos ao lado dos nossos antepassados recentes e ensinaram-nos como viver nesta sociedade e respeitar aquilo que é dos outros.
Nesta ordem de ideia se memória não nos falha, quando os primeiros portugueses, pisaram as nossas terras, foram acolhidos com uma certa cortesia como manda as regras de convivência mútua.
 
Excelência;
Indo concretamente ao assunto, em tempo informamos a V/Excelência, a situação que ocorreu na vila mineira de Cafunfo, ocorrido no 30 de Janeiro de 2021, como é do vosso conhecimento relativo ao genocídio contra a população indefesa onde se aplicou armas letais, a mando do sr. Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço e o seu executivo que estão apostados em exterminar o grupo etnolinguistico Lunda-Tchokwé.
 
Excelência;
Face ao repúdio internacional sobre esta prática, neste preciso momento temos a elevada honra de informar o seguinte:
É do conhecimento público e da Comunidade Internacional, como o MPLA e os seus dirigentes são assassinos cuja propaganda é a arma de combate, que é utilizada para enganar os menos esclarecidos, no dia 30 de Maio do ano em curso, estava agendada na vila mineira de Cafunfo uma manifestação da Juventude e da população orquestrada pelo governador Ernesto Muangala, Rafael Marques de Morais, com o intuito de desinformar que o PROTRECTORADO nunca existiu, onde a Juventude foi aliciada a receber os 20.000,00 Kzs cada.
 
Excelência;
Como a população da Lunda e do Cafunfo, conhecem as manobras ditatoriais do MPLA e do seu governo, a população não aceitou realizar a dita manifestação a contrariar o seu projecto lá de autodeterminação, na vã tentativa de obrigar a população local, resultou no assassinato de uma jovem de 14 anos de idade a queima- roupa que em vida se chamou Sandra Manuel André (Santa) como era carinhosamente chamada pelos seus próximos, onde as autoridades estão alegar que a mesma foi morta por desobedecer o uso da máscara da doença deles que foram importar dos seus aliados chineses, ver a imagem a seguir.
 
Excelência;
Segundo a nossa fonte em Cafunfo, desde que houve aquele genocídio a região do Cuango, foi lá instalada um estado de sítio com o recolher obrigatório das 18 horas a 5 horas e trinta minutos da manhã, onde a lei marcial é que vigora e todo aquele cidadão que não cumprir com esta medida tem que ser morto.
 
Excelência;
Segundo a mesma fonte como relatamos na carta anterior por detrás disso está o senhor Rafael Marques, que está naquela vila mineira do Cafunfo a dar os ditos valores a juventude e aos sobas, que está sendo protegido pelos militares e polícias da ordem pertencentes ao comando geral de Angola, e o senhor Ernesto Muangala, que de Muangola, não tem.
 
Excelência;
Em que século que ocorreu a Conferência de Bruxelas e de Berlim? E quem é o angolano, que lá esteve para hoje dizer que é verdade nunca houve o PROTECTORADO da Lunda, e se nunca houve Protectorado porque é que estão aliciar a população fazer a manifestação?
 
Excelência;
Como o presidente angolano, senhor João Manuel Gonçalves Lourenço, não tem como explicar à Comunidade Internacional sobre as mortes do Cafunfo, por estar no beco sem saída como fosse uma cobra que queimou numa queimada, está utilizar esta cartada para dizer que como pôde ver a própria população é que está a falar enquanto estão sendo aliciados.
 
Excelência;
Além dos indivíduos que acabamos de mencionar está lá também um brigadeiro que a mando do presidente angolano, está a molestar a juventude e a população numa vila onde não existe nenhuma organização dos direitos humanos que possa informar a Comunidade Internacional sobre o que está a ocorrer na vila mineira de Cafunfo, Cuango, Capenda Camulemba, Muxinda e Xá-Muteba, onde em toda mata se encontra a tropa angolana.
 
Excelência;
Se o Presidente angolano e o seu executivo está andar atrás dos filhos do ex-presidente angolano, Eng.o José Eduardo dos Santos e outros dirigentes, alegando não ter dinheiro para sustentar o seu governo, onde é que saiu os Triliões, que através dos seus aliados chineses, conseguiu obter aparelhos e auto escuta, que vai desde esferográficas, relógios, óculos e outros equipamentos, onde as comissões são altamente volumosas para o que ficam a obter este quite?
 
Excelência;
Na altura que se discutiu a questão da partilha da África, na Conferência de Berlim, Angola já não era colónia Portuguesa? Pelos dados que possuímos que na devida altura serão entregue ao governo português, na presença dos signatários dessa conferência, doravante os angolanos vão ficar de boca aberta quando eles ver este dossier onde alguns portugueses vão também ficar admirados ao lidar com este processo.
 
Excelência;
Como pôde ver sendo Crioulos nada podiam saber uma vez eram matéria-prima de colonização e se estão a falar não têm vergonha e seu nós fossemos Rafael Marques não nos metíamos neste grupo de origens duvidosas.
 
Excelência;
O povo Lunda-Tchokwé, convicto que o Protectorado é uma realidade não aceitará esta humiliação da parte dos Crioulos que se intitulam como angolanos, enquanto o próprio NGOLA existe e, a sua família não está no poder e o país foi mal entregue a este grupo que não tem piedade em matar os aborígenes para poderem perpetuar-se na nossa terra.
 
Excelência;
Como já enviamos uma carta ao Santo Padre Papa Francisco, a dar a conhecer se podemos intervir na capital angolana, esta é a sorte que o senhor presidente João Manuel Gonçalves Lourenço e o seu executivo tem, para que os seus militares possam ser escorraçados deste território e dar a liberdade a quem de direito. Depois da resposta do Santo Padre, ele será avisado para ficar de Jejum durante 60 dias sem comer para poder enfrentar a máquina misteriosa e tirar provas que os Judeus, podem fazer tudo quando querem.
 
Esta é a mensagem que queríamos dar a V/Excelência, antes dos acontecimentos do mês de Julho do corrente ano e pôr as coisas no seu devido lugar.
 
Excelência;
Os angolanos e os seus dirigentes parecem estar a treinar para os malucos. Em direito Administrativo aprendemos que quando uma entidade se coloca em silêncio sobre determinado assunto, tacitamente está aceite, a expressão tácito, significa aceitação.
 
Excelência;
Se próprio Portugal já aceitou a nossa causa, não vemos razões plausíveis do governo angolano, estar remitente e manter este território sobre a sua alçada e estar a toda hora maltratar a nossa população.
 
Excelência;
Para terminar auguramos votos de esperança e subscrevemo-nos com estima e alta consideração.
 
 
Lunda, 04 de Junho de 2021.
 
 
Atenciosamente
 
 
A FRISILT
 
 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here