Angola: CASA-CE quer inquérito sobre morte de manifestante em Luanda

0
291

A coligação angolana CASA-CE (oposição) condenou hoje a “violência gratuita” da polícia de Angola contra “cidadãos indefesos”, na manifestação de quarta-feira, em Luanda, que resultou na morte de um manifestante, defendendo um “inquérito para se punir os responsáveis”.

Segundo a vice-presidente para a Comunicação e Marketing da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), Cesinanda Xavier, a sua coligação e os angolanos precisam de uma explicação sobre a morte do jovem manifestante.

“Todos nós queremos saber a razão do porquê da morte deste cidadão. Uma morte é sempre uma morte, e não se deve enveredar pela violência gratuita, porque os cidadãos estavam indefesos e a polícia vai armada”, afirmou hoje em entrevista à Lusa.

Para Cesinanda Xavier, “não há necessidade do uso de uma força extrema a ponto de se retirar uma vida e sobretudo uma vida jovem”.

“Porque os jovens são os precursores da mudança”, disse, considerando que “não há necessidade de se reprimir quem reclama o seu direito”.

“A polícia deve oferecer segurança e ter uma ação pedagógica”, adiantou.

Polícia e ativistas divergem quanto às causas da morte do jovem, um estudante universitário de 26 anos, com manifestantes a afirmar que ele foi baleado na cabeça, tendo morte imediata, enquanto as forças policiais negam ter usado balas e um responsável hospitalar afirmou que o homem deu entrada no hospital ainda vivo, com sinais de ter sofrido um traumatismo craniano por um “objeto contudente”, mas viria a morrer após uma intervenção cirúrgica.

Cesinanda Xavier, também vice-presidente do grupo parlamentar da CASA-CE, disse ainda que todas essas manifestações e toda a condição de degradação social, económica e política do país “devem carecer de resolução imediata do executivo angolano”.

“Partimos do princípio que as manifestações são um direito dos cidadãos e face à degradação social no ponto em que encontra, é natural que as pessoas se queiram manifestar como pressão para que o executivo melhore as condições de vida dos cidadãos, sobretudo dos jovens”, rematou a deputada angolana.

A manifestação, promovida pelos mesmos organizadores que já tinham visto um protesto reprimido pela polícia no mês passado, pretendia reclamar melhores condições de vida e a realização das primeiras eleições autárquicas em 2021, depois de terem sido adiadas este ano devido à covid-19.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here