Angola: Disputa entre “filhos de José Eduardo dos Santos e sua mulher” divide juristas angolanos

1
167
A Crise instalada na família do ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, é vista por dois conhecidos juristas angolanos, contactados pela VOA, como o resultado de uma “animosidade” por causa da falta de colaboração entre os filhos e a ex-Primeira Dama de Angola, Ana Paula dos Santos.

A ex-deputada angolana Tchizé dos Santos, filha do ex-Presidente de Angola, confirmou esta quarta-feira, 29, que os filhos contrataram uma advogada espanhola para, com base na justiça daquele país, tornar nula a relação matrimonial entre o casal.

Tchizé dos Santos alega que o facto de Ana Paula dos Santos não ter estado a viver com o pai na comunhão de mesa e de leito nos últimos anos retira-lhe o direito de continuar junto do marido, em Barcelona.

A filha do ex-Presidente rejeita também qualquer interferência do Estado e do Presidente João Lourenço nos assuntos inerentes à doença do seu pai ,algo que o Governo angolano através do seu ministro das Relações Exteriores negou.

O jurista Lindo Bernardo Tito também entende que nesta matéria “é evitável que o Estado angolano interfira, por exemplo, na escolha da equipa médica, por ser uma questão de família no qual o Estado deve apenas apoiar a ajudar em tudo que for necessário.”

Bernardo Tito defende que a ex-Primeira Dama de Angola, Ana Paula dos Santos, não perdeu os direitos e deveres de esposa, com base no direito angolano por entender que a justiça espanhola não tem qualquer jurisdição sobre os actos praticados pelo Estado angolano.

Contudo, o jurista considera que o facto de Ana Paula dos Santos ter supostamente abandonado o marido por um período relativamente longo e o facto de nos passaportes o endereço do domicílio dos dois ser diferente, “é prova de que já não havia a comunhão de mesa entre ambos”.

“A relação entre as pessoas que se casam é uma relação diária que resulta na comunhão comum e na convivência. Quando esta relação se quebra é porque também se quebra o casamento do ponto de vista material e não podemos dizer que este casamento existe do ponto de vista formal quanto do ponto de vista material ele já não existe”, defende, Bernardo Tito.

O jurista admite que uma provável providência cautelar a ser intentada pela advogada contratada poderá resultar no regresso a Angola de Ana Paula dos Santos e do médico pessoal de José Eduardo dos Santos, deixando a situação sob o controlo dos filhos.

Entretanto, o também jurista Albano Pedro entende que uma eventual separação do casal só pode ser tomada por vontade pessoal de José Eduardo dos Santos ou sob seu mandato.

“Sendo um casamento que foi celebrado sem vícios e que está em vigor, mesmo que haja uma situação de separação de cama e mesa não são os filhos que devem intentar a acção a menos que seja o pai a manifestar claramente este desejo e, não estando física ou psicologicamente capaz para o fazer. Não basta que eles estejam separados de cama e mesa que é uma mera separação de facto . A separação jurídica tem que ser intentada”, afirma Pedro.

Para aquele jurista, “as pessoas podem ficar muitos anos sem viverem juntas e manter a relação de casamento formalizado”.

 

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments