Angola: Instituto de Gestão de Ativos e Participações do Estado (IGAPE) avisa que “aumento de propinas” arrisca penalização criminal e civil

0
125
O Instituto de Gestão de Ativos e Participações do Estado (IGAPE) de Angola alertou hoje que o aumento de propinas no ensino privado, no ano letivo 2022/2023, pode ser penalizado civil e criminalmente por violar o regime de preços.

O Instituto de Gestão de Ativos e Participações do Estado (IGAPE), órgão de apoio na regulação de preços, lembra que as instituições privadas e público-privadas de educação e ensino são obrigadas a cumprir o limite de 0% no ajustamento do valor das propinas e emolumentos, estabelecido no decreto executivo conjunto 247/22.

“Sem prejuízo das sanções penais a que houver lugar por força da legislação de preços em vigor, as infrações ao previsto no Decreto Executivo Conjunto n.º 247/22, bem como a violação das normas estatuídas relativas ao regime de preços vigiados por parte dos agentes económicos dão lugar a penalização criminal e civil”, refere o Instituto de Gestão de Ativos e Participações do Estado (IGAPE) em comunicado.

Segundo o diploma, este critério de alteração do valor das propinas foi definido tendo em conta “o normal funcionamento do mercado do ensino” e visa “alavancar o nível de eficiência na prestação de serviço de educação e ensino face às alterações do quadro económico do país”.

O decreto executivo, datado de 15 de julho, indica ainda que esta é uma “instrução provisória” sem precisar quando será revista.

Angola tem eleições gerais marcadas para 24 de agosto.

 

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments