EUA: Democratas avançam com o impeachment á Donald Trump na “última semana na Casa Branca”

1
257
A última semana de Donald Trump na Casa Branca promete ser agitada. O ainda presidente dos EUA deverá optar por uma postura desafiadora e a Câmara dos Representantes deverá votar o impeachment na terça-feira.

Promete ser agitada a última semana de Donald Trump na Casa Branca. Com o presidente dos Estados Unidos cada vez mais isolado, os democratas estão a acelerar o seu processo de “impeachment”, que pode ser votado na Câmara dos Representantes já esta terça-feira.

Ao mesmo tempo que cresce a pressão para Trump ser forçado a sair do cargo, o ainda presidente dos EUA deverá optar por uma postura desafiadora nos últimos dias do seu mandato.

Depois de ter sido banido das redes sociais e abandonado por vários membros da sua administração, a Bloomberg falou com pessoas do círculo mais próximo de Trump, que dão conta que os próximos dias poderão ser agitados.

O ainda presidente dos Estados Unidos pretende reforçar as principais bandeiras do seu mandato, por isso fará na terça-feira uma viagem ao Texas, junto à fronteira com o México, onde foi construído parte do muro que prometeu antes das eleições que o levaram à Casa Branca.

Donald Trump deverá também avançar com mais medidas contra as grandes tecnológicas, o que poderá ser visto como uma vingança pelo facto de o terem banido das redes sociais na sequência da invasão do Capitólio por parte dos seus apoiantes.

Segundo a agência de notícias, Donald Trump não crê que o seu número 2, Mike Pence, avance com a 25.ª Emenda para o afastar da Casa Branca antes da tomada de posse de Biden a 20 de janeiro. Isto apesar de o vice-presidente, segundo relataram alguns republicanos, ter ficado furioso pelo facto de Trump o ter acusado de “falta de coragem” por não ter bloqueado a confirmação da vitória de Biden no Congresso.

Mike Pence e Donald Trump não falam desde quarta-feira, o dia dos graves  incidentes no Capitólio, que motivaram os democratas a avançar com a segunda tentativa de “impeachment” do presidente dos Estados Unidos.

Donald Trump também desvaloriza este cenário,  não crendo que terá hipóteses de passar no Senado, que é controlado por republicanos e bloqueou a primeira tentativa em 2019.

Mas há cada vez mais republicanos que não perdoam Trump por ter sido o responsável moral da invasão do Capitólio e entre os democratas a pressão para o “impeachment” avançar é cada vez maior. Por isso, estão a fazer tudo para que a Câmara dos Representantes possa votar o “impeachment” já esta terça-feira.

Esta votação servirá como um “castigo” para Donald Trump, sendo que depois o envio para o Senado poderá ser adiado. Por um lado os democratas não querem “contaminar” a tomada de posse e os primeiros dias de Biden na Casa Branca. E por outro lado sabem que não há tempo para terminar o processo de “impeachment” antes de dia 20.

“Se somos a Câmara do Povo, vamos fazer o trabalho do povo e votar para afastar este presidente”, disse  James E. Clyburn, número 3 dos democratas da Câmara dos Representantes. “O Senado decidirá depois o que quer fazer com o ‘impeachment’”.

Um dos cenários em cima da mesa poderá passar por aprovar o “impeachment” e só o enviar para o Senado 100 dias depois da posse de Biden. Só quando receber o “impeachment” da Câmara dos Representantes é que o Senado poderá iniciar o julgamento de Donald Trump.

“Vamos dar ao Presidente Eleito Biden os 100 dias que necessita para colocar em prática a sua agenda”, acrescentou o democrata à CNN. “Talvez depois disso podemos enviar” o processo para o Senado.

Mesmo que o “impeachment” siga com urgência para o Senado, a Câmara Alta do Congresso só reúne a 19 de janeiro e o processo só avançaria de forma célere com o consentimento de todos os 100 senadores. Um cenário se que prevê difícil pois Donald Trump ainda mantém apoiantes entre os republicanos.

Contudo, se o “impeachment” acabar por ser aprovado, Donald Trump fica automaticamente arredado das próximas eleições presidenciais.

O pedido de “impeachment” de Donald Trump já foi assinado por 195 dos 222 democratas com assento na Câmara dos Representantes e tem o apoio de cada vez mais republicanos. Patrick J. Toomey, da Pensilvânia, tornou-se no segundo senador republicano a apelar à demissão de Trump. Mick Mulvaney, que foi assessor de Trump e um seu apoiante de longa data, reconheceu que se ainda tivesse o seu lugar na Câmara dos Representantes iria aprovar o “impeachment”, acreditando que no seu partido muitos membros farão o mesmo.

A última semana de Donald Trump na Casa Branca promete ser agitada e pode acabar com humilhação para o ainda presidente, caso o “impeachment” seja aprovado por uma maioria esmagadora na Câmara dos Representantes, mesmo que tal acabe por não ter efeitos práticos.

1 COMMENT

  1. […]   Apesar do impeachment, Donald Trump permanece no poder até que ocorra a votação no Senado, onde serão necessários dois terços dos votos   Com a aprovação pela Câmara dos Representantes, Donald Trump se tornou o primeiro presidente da história dos Estados Unidos a sofrer dois impeachments. Mesmo assim ele continua no comando da Casa Branca.   Diferentemente do que ocorre no Brasil, nos EUA é dito que o presidente sofreu impeachment já quando o processo é aprovado na Câmara. Por isso que Trump pôde ter dois impeachments e ainda seguir presidente.   Leia mais Artigos sobre impeachment ao Donald Trump:   Senadora Republicana, Lisa Murkowski pede a “demissão urgente de Donald Trump”   Mais um Senador Republicano pede a “demissão urgente do Donald Trump”: Desta Vez, é O Conservador “Pat Toomey”   Democratas avançam com o impeachment á Donald Trump na “última semana na Casa Branca” […]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here