EUA: Recontagem no Wisconsin dá mais votos a Joe Biden

0
237

Donald Trump gasta 3 milhões em recontagem que, no final, acabou por dar ainda mais votos a Biden

A recontagem dos votos no condado de Milwaukee, a pedido da campanha de Donald Trump, aumentou a vantagem de Joe Biden em 132 votos. Na Pensilvânia negam-lhe pedido para bloquear vitória do democrata.

A recontagem que a campanha de Donald Trump pediu no condado de Milwaukee, o mais populoso no estado do Wisconsin, acabou por resultar na atribuição de ainda mais votos ao seu adversário e vencedor das eleições, o democrata Joe Biden.

A recontagem levada a cabo naquele condado acabou por ditar que, entre os quase 460 mil votos que foram registados, Joe Biden venceu com 317.527 votos e Donald Trump ficou em segundo lugar com 134.482. Embora a ordem dos resultados não seja de particular surpresa (o condado de Milwaukee inclui a cidade do mesmo nome, que é um bastião democrata no estado do Wisconsin), é possível que a campanha de Donald Trump não esperasse que após a recontagem a vantagem de Joe Biden aumentasse em 132.

Ao todo, a campanha de Donald Trump gastou 3 milhões de dólares (2,51 milhões de euros, à taxa de câmbio atual) para poder levar para a frente a recontagem dos boletins de voto no condado de Milwaukee e também no condado de Dane, igualmente no Wisconsin, e cujos resultados deverão ser divulgados este fim-de-semana.

Com 98% dos resultados contados a esta altura, Joe Biden é dado como vencedor do estado do Wisconsin, tendo uma vantagem de pouco mais de 20 mil votos sobre Donald Trump.

Perante esta notícia, Donald Trump reagiu no Twitter. “A recontagem no Wisconsin não se trata de encontrar erros na contagem, trata-se de encontrar pessoas que votaram ilegalmente, e isso vai ser evocado depois de a recontagem estar terminada, na segunda ou na terça-feira”, escreveu naquela rede social. “Encontrámos muitos votos ilegais. Fiquem atentos!”

Em 2016, o Wisconsin foi uma peça fundamental na vitória de Donald Trump sobre Hillary Clinton, depois de ali ter vencido a candidata democrata por 22.748 votos. O resultado foi inesperado, com a maior parte das sondagens a preverem uma vitória de Hillary Clinton naquele estado que, desde 1988, votou sempre maioritariamente no candidato democrata nas eleições presidenciais.

Juiz da Pensilvânia rejeita pedido de Trump, diz que não há provas

Na Pensilvânia, o Presidente teve outra má notícia: o pedido colocado pela sua equipa naquele estado igualmente decisivo foi rejeitado por um coletivo de juízes da relação que na sua decisão referiram não haver provas para as acusações de fraude feitas pela campanha republicana.

“As eleições livres e justas são a essência da nossa democrata. As acusações de injustiça são graves. Mas chamar a umas eleições injustas não chega para fazer delas isso mesmo”, escreveu o juiz Stephanos Bibas, que elaborou o texto final da decisão do coletivo de três juízes. “As acusações obrigam a que sejam apresentadas alegações específicas e depois provas. Não temos nada disso neste caso”, defendeu o juiz em causa, que foi nomeado em novembro de 2017 por Donald Trump.

No sábado, Donald Trump também reagiu à posição dos juízes da Pensilvânia. “Foram feitas alegações específicas e temos várias provas na Pensilvânia. Algumas pessoas é que simplesmente não querem vê-las”, escreveu. “Não querem ter nada a ver com o salvamento deste país. Tristeza!”

Outra reação àquela decisão foi de Jenna Ellis, conselheira jurídica da equipa de campanha de Donald Trump, escreveu no Twitter que “a máquina judicial ativista da Pensilvânia continua a encobrir as alegações de fraude massiva” e terminou o seu post com a expressão: “Para o SCOTUS”. SCOTUS é a sigla inglesa para o Supremo Tribunal dos EUA.

Esta segunda-feira, Donald Trump aceitou iniciar o processo de transição para Joe Biden, declarado vencedor das eleições presidenciais pelos media — nos EUA, por força de o processo de contagem ser moroso, os media declaram, desde o século XIX, o vencedor das eleições quando a sua derrota é matematicamente impossível. Mas Donald Trump ainda não reconheceu a vitória de Joe Biden, apesar de ter dito na quinta-feira que, se a vitória do seu adversário for oficialmente declarada, sairá da Casa Branca.

João de Almeida Dias

OBSERVADOR 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here