Europa: Político português adverte Lisboa sobre riscos por ter “actuado contra Isabel dos Santos”

0
262
João Lemos Esteves, político português, e membro do Partido Social Democrata (PSD), advertiu a Lisboa para que se prepare para uma crise sem precedentes do ponto de vista reputacional, como consequência do facto de ter actuado a favor do Governo angolano e contra a empresária Isabel dos Santos.

O aviso de João Lemos Esteves, mestre e professor de Direito, na Universidade de Lisboa, foi feito através de um artigo de opinião publicado no Jornal Sol, um título português de periodicidade semanal.

No seu texto, João Lemos Esteves deixa transparecer a ideia de que à semelhança da exposição de que o presidente angolano, João Lourenço, terá, ao arrepio das normas de um Estado de Direito e Democrático, dado instruções para que juízes e operacionais de inteligência agissem de modos a tornar Isabel dos Santos mais pobre, poderão também surgir informações de actuação menos boas de políticos e governantes portugueses nos processos que envolvem Isabel dos Santos.

 “A empresária angolana tem uma estratégia bem definida, racional, pensada com tempo, que ultrapassa largamente as fronteiras de Portugal, que o mesmo é dizer, Isabel dos Santos irá replicar a seu favor o método que havia sido usado para a prejudicar económica e socialmente”, lê-se no texto de João Lemos Esteves, para quem as provas que comprometem o Governo angolano e o governo português em posse de Isabel dos Santos não poderão ser postas em causa, porque advêm da “Black Cube”, o exponente máximo das empresas de inteligência à escala global.

“Com a Black Cube,” na perspectiva do político português, “não há brincadeiras: se estão à espera de deslegitimar a defesa de Isabel dos Santos com alegações de “fake news”, pensem duas, três, quatro e várias vezes”, porque com a Black Cube, agência composta por antigos e actuais operacionais do serviço de inteligência de Israel, o Mossad, não há erros. Sobre o referido grupo de inteligência, dado a sua elevada capacidade de acção, há uma narrativa segundo a qual que se “Deus não sabe, a Black Cube sabe”.

Entretanto, tendo em conta a nova contratação de Isabel dos Santos, prevê-se que a filha do antigo presidente José Eduardo dos Santos pretende provar que os arrestos de seus bens não resultaram de evidências de ter havido favorecimento no período em que seu progenitor era o chefe de Estado angolano ou de evidências criminais, mas que resultaram da vontade do actual presidente angolano em reduzir a sua capacidade financeira, visando evitar oposição interna, como a mesma fez saber numa entrevista que concedeu à RTP.

Importa referir que desde a ascensão do presidente João Lourenço, alguns descendentes do antigo presidente José Eduardo dos Santos estão às contas com a justiça, sendo que o caso de Isabel dos Santos transcende à geografia angolana.

Além de ver arrestadas suas participações em Angola, como na Unitel, bancos BFA e BIC, na Zap, Luandina e entre outros activos, Isabel dos Santos acabou por perder a Efacec, que foi nacionalizada pelo governo português, além de outros activos em território luso.

O Tribunal Supremo das Ilhas Virgens Britânicas também decidiu para que Isabel dos Santos perdesse o controlo da empresa Vidatel, com a qual a empresária detinha 25% na Unitel.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here