O que pode ser feito no MPLA para acabar com o partidarismo?

0
184

Desejo aprofundar a preocupação com o partidarismo no partido governista do MPLA. Na verdade, existem duas principais deficiências e perigos organizacionais que atormentam qualquer partido do governo. 

Em primeiro lugar, os desafios da governança e da gestão política do poder estatal que impactam o caráter e os valores do partido governante.

Mais frequentemente, devido à preocupação em administrar conflitos internos, o partido do governo não tem sido capaz de mitigar os perigos que qualquer partido do governo tem de enfrentar e administrar.

Estes são o perigo de distância social e isolamento do partido das massas; o perigo da burocracia  estatal e da desmobilização das massas; o perigo de corrupção e pecados de incumbência; o perigo de usar instituições do Estado para resolver diferenças internas do partido; o perigo de manter a porta de entrada e políticas eleitorais divisionistas, propulsores de cunha e de assassinatos de caráter e, mais importante, o perigo de facciosismo institucionalizado, falta de disciplina e desunião alimentados e inspirados pelas batalhas sobre o controle do poder e dos recursos do estado.

partido do MPLA precisa  reconciliação com so seus membros, incluindo os implicados em escândalos de corrupção, os que estão na prisão porque têm usado fundos públicos em benefício próprio. Em segundo lugar, segue-se que a vida política de tal partido governante gira em torno de lutas internas insidiosas e batalhas faccionais pelo poder. Este é um recuo silencioso da linha de massa para a política palaciana de partidarismo e lutas internas perpétuas no partido do MPLA.

Essas circunstâncias produzem um novo tipo de líder e membro do partido que vê a falta de disciplina, as divisões, o partidarismo e as lutas internas como práticas normais e formas necessárias de sobrevivência política.

Projectar a imagem de uma organização unida e coesa não significa necessariamente que os membros do partido não sejam propensos a contradições internas.

Na verdade, as contradições fazem parte da realidade subjacente de qualquer organização. A literatura e a experiência prática mostram que essas contradições não podem ser resolvidas expurgando nos alguns membros.

Em vez disso, as contradições podem ser resolvidas por meio de uma luta  de conversa mais intensa dentro da organização, que assume a forma de compromissos robustos.

A teoria revolucionária nos diz que, se o centro organizacional não se mantiver, muitos centros surgirão e causarão confusão, lacunas de informação e tensões que podem fertilizar o terreno para que o faccionalismo se desenvolva, cresça e intoxique membros em todos os níveis da organização.

O faccionalismo exige que os membros sejam mais leais às facções do que à organização. Consequentemente, líderes e membros de facções estão até mesmo preparados para agir de uma maneira que ameace a existência da organização que afirmam amar.

Isso significa que o partidarismo produz membros que se consideram “super revolucionários” ordenados para influenciar a direção da organização, mesmo que suas abordagens tenham o potencial de puxar a organização para o abismo sem fundo da autodestruição, deixando assim a organização exposta e vulnerável.

Falando dialeticamente, qualquer mudança é consequência da interação entre partes de um mesmo todo. Nas organizações e na sociedade, os seres humanos estão no centro das interações que causam mudanças; Os analistas políticos afirma que “o ser humano não é o objeto indefeso de um processo histórico fatalista, mas sempre o sujeito activo da história”.

No partido do MPLA “algumas pessoas pensam que uma vez que as pessoas se juntam a uma organização se tornam santos sem diferenças ou mal-entendidos sobre as questões por causa de sua crença equivocada de que todas as organizações são monolíticas e por essa razão não há necessidade de qualquer conversa sobre a unificação de membros e líderes da mesma organização”.

grupo de jovens angolanos esteve na rua em Angola para apresentar a sua infelicidade com o Governo, o Governo e partido supostamente devia se reunir  com este jovem para encontrar uma solução, não para prendê-lo e colocá-lo na prisão isso está errado na sociedade democrática como Angola democratica, isto não é boa imagem para comunidadde internacional.

Ao contrário dos opostos diamétricos, os opostos dialéticos são imperativos da luta que se reforçam mutuamente, o que reafirma uma visão arraigada de que a luta e a unidade dos opostos são os conceitos fundamentais da dialética.

O materialismo dialético nos ensina que as organizações refletem as contradições de um ambiente social em que existem e operam.

Sobre isso, os analistas políticos diz que “A sociedade não é um organismo inefável; é um nexo complexo de instituições e processos inter-relacionados, de indivíduos conscientes, intencionais e interagindo – e as consequências não intencionais que eles geram ”.

Aqui, chamamos nossa atenção para a natureza da dinâmica social que se desenvolve nas organizações.

Por esta razão, a teoria revolucionária exige que todas as organizações revolucionárias adotem a abordagem que, segundo os analistas políticos, “ser analítica sobre tudo, a reconhecer caso por caso.

Temba Museta

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here