Angola: Jornalista da Rádio Despertar alegam não se rever nos colegas que foram a TPA

0
244

 Soubemos pela comunicação social, que dois funcionários da Rádio Despertar que se autodenominam de representantes sindicais, organizaram clandestinamente(sem o conhecimento do colectivo de trabalhadores da Rádio Despertar) uma conferência de imprensa para anunciar a intenção de apresentar uma irrisória queixa-crime contra a Rádio Despertar e contra a UNITA.

De imediato averiguamos e verificamos que estes dois “pseudo-sindicalistas” foram politicamente instrumentalizados com propostas de trabalho e promessas de dinheiro.

As disputas laborais não devem ser dirimidas com má-fé, na clandestinidade e perante o “circo mediático” das televisões.

Esclarecemos que a actuação destes falsos sindicalistas não teve qualquer ligação, instrução ou articulação com o colectivo de trabalhadores da Rádio Despertar, que a ela é completamente alheio. Não somos representados por estes senhores e nem tivemos conhecimento desta lastimável prática de venda de consciências.

Rejeitamos este manifesto desrespeito à instituição Rádio Despertar e repudiamos qualquer acto de uso e aproveitamento de jornalistas para fins de propaganda.

Sem outro assunto, subscrevemos com elevada consideração,

O Colectivo de Trabalhadores da Rádio Despertar:

Abelardo Benjamin; Adérito Pascoal; Agostinho Kayola; António Festos; Claudio Emanuel(KING); Daniel Fernandes; Kabanga Dikulo; Fabio Barros; Maria Do Carmo; Gonçalves Vieira; Horácio Dos Reis; René Bombástico; René Júnior; Osvaldo Tomás; Hugo Elias; Oribio Fernando; José Magalhães; Joaquim Ribeiro; Edgar Elias; Leonardo Justo; Queiroz Siluvia; Jorge Manuel; ‘Tia Gê’; Florinda Moisés; Kavita Chilala; David Azevedo; Victoria Sakutala; Odete Carla; Clementina Silvia; Brigído Paulo Hama; Artur Songola; João Domingos e Márcia Kanda.

 Rádio Despertar

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here