Angola: Luanda Medical Center facturam com os testes da COVID-19

0
136
Com um custo de cento e oitenta mil Kwanzas, os testes obrigatórios da Covid-19 tornaram-se base para um novo negócio.

Em Angola, o Luanda Medical Center detém praticamente o monopólio dos testes RT-PCR que devem ser realizados menos de 72 horas antes de embarcarem em qualquer voo internacional.

Administrado pelo grupo israelita Mitrelli, o LMC também recebe passageiros do exterior que precisam entrar em quarentena quando chegam ao país.

Em ambos os casos, o teste custa Kz185.500, ou seja, $ 280. É um negócio lucrativo para Mitrelli, que é um dos grupos que se beneficia com os testes inesperados da Covid em África.

Segundo  o site Africa Intelligence, grupo, que tem Angola como um dos seus principais mercados, foi fundado em 2011 pelo empresário Haim Taib, que o tem levado à prosperidade no sector africano da saúde, pecuária, horticultura comercial e infra-estruturas.

De acordo ainda com a fonte, durante várias semanas, o LMC teve um monopólio virtual do mercado de testes de Covid. Quando os voos internacionais foram retomados a 30 de junho no aeroporto de Luanda, após terem estado quase totalmente suspensos durante dois meses, o LMC era o único equipado para realizar os testes PCR e analisar os seus resultados.

Desde a sua inauguração em 2015, adianta o site, o centro sempre esteve na vanguarda entre os estabelecimentos de saúde.

Na altura, beneficiava de financiamento dos Estados Unidos através da US International Development Finance Corporation, fundos públicos angolanos através do organismo nacional de segurança social, o Instituto Nacional de Segurança Social, e fundos privados da sociedade de investimento da própria Mitrelli, Vital Capital, especializada em empréstimos garantidos por matérias-primas.

O edifício, que não é propriedade da Mitrelli, foi até muito recentemente propriedade da empresa angolana Luanda Medical Center SA.

Em meados de novembro, no entanto, o Ministério Público assumiu o controlo do imponente edifício como parte de uma vasta campanha para trazer de volta ao controlo do Estado propriedades construídas com fundos públicos.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here