EUA: Joe Biden é eleito presidente dos Estados Unidos e acaba com a era Trump

1
226

O democrata Joe Biden derrotou o republicano Donald Trump nas eleições 2020 e será o presidente dos Estados Unidos, de acordo com as projeções da imprensa e em meio a um escrutínio agônico de mais de 72 horas.

Uma maré de participação, com impulso especial das mulheres e dos jovens, decidiu expulsar da Casa Branca Trump, o empresário imobiliário nova-iorquino que levou o populismo mais agressivo, beirando o xenófobo, ao centro do poder. A vitória de Biden, um político moderado de 77 anos, significa um repúdio a esta era turbulenta e transmite uma poderosa mensagem para o resto do mundo, onde outros movimentos semelhantes estão começando a se desgastar.

A última atualização da contagem na Pensilvânia nesta manhã deste sábado, no horário de Washington, certificou Biden como o vencedor daquele território-chave e, com isso, também como vencedor das eleições. Ele ultrapassou 270 votos eleitorais e Trump acaba de se tornar o primeiro presidente nos últimos 25 anos a perder a reeleição.

A queda de Trump não se traduz no fim das ideias e sentimentos que o impulsionaram, nem implica que o fosso social e cultural que divide este país esteja em vias de se fechar. Os dispositivos de segurança mobilizados nestes dias nas grandes cidades pelas autoridades e cidadãos comuns, com medo da violência, dão conta do clima de tensão. O próprio presidente o alentou até o último momento, agitando o fantasma da fraude eleitoral. O que o resultado reflete é que a união dos eleitores democratas é mais numerosa e representativa dos Estados Unidos do que a direita branca a que Trump apelou durante os últimos quatro anos.

Biden, o vice-presidente da Administração de Barack Obama, não foi enaltecido pelo entusiasmo ou pelo carisma, mas por uma colossal onda de rejeição a Trump. Esta começou a ser construída com aquela primeira Marcha das Mulheres, no dia seguinte à sua posse, em Washington; com as manifestações pelo clima ou com os protestos dos jovens contra as armas. Nas eleições legislativas de novembro de 2018 cristalizou-se com a maior vitória democrata desde Watergate e, neste verão, depois da dura resposta do mandatário às mobilizações contra o racismo, aumentou sua intensidade. A gestão errática da pandemia acabou estimulando os eleitores e nesta terça-feira eles fecharam seu caminho para um segundo mandato.

Biden, de perfil centrista e quase octogenário, parecia há um ano uma aposta contrária aos tempos, alheia à nova força vital do Partido Democrata, distante dos pujantes discursos da ala esquerda e sem ímpeto suficiente para enfrentar um tigre político como Trump. Sua figura, porém, é a que mais gerou consenso entre as diferentes sensibilidades; sua estabilidade, sua moderação e suas irresistíveis doses de empatia fizeram dele aquele nome em torno do qual cerrar fileiras. Em primárias com mais de 20 pré-candidatos, erigiu-se em vencedor.

O futuro presidente norte-americano é descendente de uma família irlandesa trabalhadora, filho de um vendedor de carros Chevrolet de Delaware, um pequeno Estado situado a uma hora e meia da cidade de Washington. Nasceu em 1942 em Scranton, uma cidade mineira da Pensilvânia, mas seu pai perdeu o emprego e, quando tinha apenas 10 anos, a família se mudou. Em Delaware estudou Direito e também iniciou uma carreira política promissora e precoce. Foi eleito senador pela primeira vez em 1972, aos 29 anos, e lançou sua primeira candidatura à Casa Branca em 1987, com um desenlace para ser esquecido: retirou-se das primárias em meio a acusações de plágio. Nas primárias de 2008, diante de Barack Obama e Hillary Clinton, também saiu cedo, sem alternativas, mas o jovem Obama o escolheu como número dois e foi vice-presidente por oito anos.

Sua vida está marcada tanto pela ambição quanto pela tragédia. Quando completou 30 anos, o senador recém-eleito perdeu a primeira esposa e a filha de um ano em um acidente de carro. Em 2015 morreu de câncer outro de seus filhos, Beau, uma estrela em ascensão do Partido Democrata que sempre o incentivou a continuar.

Nesta terça-feira, ele cumpriu a promessa que fez a Beau e o sonho que começou a acalentar há meio século. Quando prestar juramento terá 78 anos e será o presidente mais idoso a chegar ao Salão Oval. Tudo indica que será presidente de um único mandato. Durante a campanha, para apaziguar receios sobre sua idade, sua equipe adiantou que não se candidataria à reeleição, o que direciona os holofotes para sua companheira de chapa, a futura vice-presidenta Kamala Harris.

A senadora da Califórnia, de 56 anos, será a primeira mulher a ocupar esse cargo e, portanto, uma candidata mais do que potencial para substituir Biden em 2024. A ascensão do número dois de Obama ao cargo mais poderoso do mundo não resolveu a questão da renovação geracional do partido, assunto pendente para a próxima eleição. Harris, uma ex-procuradora negra, de pai jamaicano e mãe indiana, já foi uma das pré-candidatas nas primárias democratas deste ano.

Mas ainda faltam quatro anos muito difíceis. O futuro presidente enfrenta o desafio de tirar o país de uma grave crise econômica e sanitária que ninguém previa há apenas um ano e deve fazer isso em meio a uma grave fratura política e social. Os norte-americanos estão mais divididos do que há quatro anos em questões como raça, gênero ou armas, e a campanha se desenrolou de forma especialmente rude.

Derrota

Trump sinalizou até o final que não aceitaria facilmente a derrota e alimentou suspeitas de fraude eleitoral. É o homem que usa a palavra “perdedor” como insulto mais recorrente e costuma dizer “ganhar” para falar sobre o progresso e o desenvolvimento dos Estados Unidos. Nesta terça-feira, enquanto os norte-americanos votavam, falou com franqueza a um grupo de jornalistas na sede do Comitê Republicano da Virgínia: “Vencer sempre é fácil, perder não. Não para mim”, disse.

O novo presidente presta juramento em 20 de janeiro de 2021, mas a Administração Trump já tem data de morte. Com ela se vai um personagem irrepetível, um vendaval. O confronto é seu habitat e a rejeição lhe dá alimento. Mantém uma histórica relação de amor e ódio com os meios de comunicação: ele os denigre ao mesmo tempo em que se mostra mais acessível do que qualquer outro presidente que se recorde em Washington. Politicamente venenoso, jogou gasolina em cada fogo que o país enfrentou: desde se mostrar equidistante entre os neonazistas e os manifestantes antirracistas de Charlottesville em 2017 até incentivar a revolta contra as ordens de confinamento por causa da pandemia nos Estados democratas.

Pelo menos até a pandemia, o republicano deu argumentos às suas bases para que votassem nele novamente. Conseguiu levar adiante a maior redução de impostos desde a era Reagan, promoveu a desregulamentação dos negócios, especialmente em detrimento das normativas ambientais, e cumpriu suas promessas de mão dura com a imigração até onde o Congresso e a Suprema Corte lhe permitiram.

Na oposição, a rejeição democrata a Trump vai muito além da agenda conservadora que promoveu, tem a ver com o estupor que causou em meio mundo. Os insultos, os acenos para a extrema direita, as pressões sobre o Departamento de Justiça e medidas migratórias tão duras como a separação de crianças migrantes e seus pais desenharam uma imagem irreconhecível dos Estados Unidos. O Partido Republicano de Abraham Lincoln, que nos últimos quatro anos se dobrou aos desígnios de Trump, começa agora seu particular processo de reflexão.

Biden significa o regresso de uma figura do establishment, um perfil de consenso para um tempo de luto. Mais de 320.000 pessoas perderam a vida devido ao coronavírus somente nos Estados Unidos e não há um horizonte claro para o retorno à normalidade. Trump, um empresário com grande faro político, temeu isso desde o primeiro momento. As pressões sobre a Justiça da Ucrânia no verão de 2019 para que anunciasse investigações por corrupção que enlameassem o vice-presidente de Barack Obama derivou no julgamento do impeachment. Trump o venceu protegido pelos republicanos do Senado. Agora os norte-americanos lhe mostraram a porta.

Projeto de governo

A mensagem de Biden se articula em grande medida em associação com seu estilo moderado durante o governo de Obama, mas durante a campanha prometeu que como presidente adotará posturas mais progressistas nas áreas da mudança climática, justiça racial e alívio da dívida estudantil.

Durante sua campanha, Biden apresentou um plano orçamentário de 3,5 trilhões de dólares iniciais, que ainda pode se ampliar e chegar a um total de 6 a 11 trilhões de dólares em uma década.

Apesar de ser classificado como mais conservador que outros democratas – como o antigo adversário Bernie Sanders, que propunha um pacote de 16,3 trilhões de dólares somente para deter o aquecimento global –, seus planos para a próxima década incluem 2 trilhões de dólares para saúde, com a expansão do Affordable Care Act (Obamacare); 1,7 trilhão de dólares de investimento em energia limpa, para gerar empregos e zerar as emissões de carbono até 2030; 1,6 trilhão de dólares para a educação em todos os níveis; 500 bilhões de dólares em gastos com a Previdência Social; e muito mais.

O aumento das despesas é maior que os propostos pelos ex-candidatos democratas John Kerry, Barack Obama e Hillary Clinton juntos. Embora suas propostas sejam atraentes, economistas preocupam-se com as consequências dos gastos desenfreados. Para pagar pela farra monetária, a proposta é incrementar e criar novos impostos.

Carreira

Biden entrou para a política nacional aos 29 anos, quando conseguiu uma surpreendente eleição como senador por Delaware em 1972. Mas apenas um mês depois uma tragédia abalou sua vida, quando sua primeira esposa, Neilia Hunter, e sua filha de um ano morreram em um acidente de carro quando saíram para comprar uma árvore de Natal.

Seus dois filhos ficaram gravemente feridos, mas sobreviveram ao acidente. O mais velho, Beau, morreu vítima de câncer em 2015. As tragédias ajudaram a cimentar a empatia com a opinião pública americana. Quando foi eleito pela primeira vez, era um dos senadores mais jovens no Capitólio, onde passou décadas antes de servir como vice na Casa Branca por oito anos.

Antes de aceitar se tornar o número 2 da república norte-americana, Biden já havia concorrido duas vezes à indicação para representar o Partido Democrata nas urnas. Em 1988 era considerado um dos favoritos da legenda, mas perdeu apoio e foi obrigado a abandonar seu pleito após ser acusado de plagiar um discurso de campanha. Tentou novamente em 2008, mas foi derrotado justamente por Obama, que após a vitória o convidou para integrar sua chapa. Os dois democratas, aliás, se gabam de conservar uma amizade que vai muito além do trabalho e são frequentemente fotografados juntos.

Os críticos e os próprios democratas questionaram durante a campanha a propensão de Joe Biden a gafes. Também apontaram em diversas ocasiões a falta de carisma do ex-senador.

Donald Trump, inclusive, tentou explorar o tema e o chama de “Joe, o dorminhoco”. Também o acusa de sofrer uma deterioração cognitiva por sua idade. Nada disso, porém, foi suficiente para impedir sua vitória.

Apesar de sua calma, não conseguiu escapar de alguns escândalos. No começo do ano foi acusado de assédio sexual por uma ex-assistente de sua equipe no Senado. A denúncia, porém, nunca foi para frente e o assunto logo esfriou.

Não é o caso da polêmica envolvendo seu filho do meio, Hunter, e uma empresa multinacional de gás com sede da Ucrânia. Republicanos e apoiadores de Donald Trump acusam Biden de tentar barrar um processo por corrupção contra a companhia na qual seu filho trabalhava no país do leste europeu quando ainda estava na Casa Branca. As queixas nunca foram provadas e sua campanha tentou abafar ao máximo suas repercussões, mas seus adversários com certeza não parecem dispostos a esquecer o caso tão cedo.

“Quando um candidato está na liderança, sua campanha não deve se preocupar com carisma ou holofotes, e sim em conservar a imagem e posição”, diz Hans Hassell, cientista político e professor da Universidade do Estado da Flórida. “Biden permaneceu focado em não fazer besteira”.  

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here