Angola: MPLA e UNITA trocam acusações sobre “derrube” de Adalberto

1
485

Sobre “derrube” de Adalberto O MPLA, partido no poder, negou paternidade ao alegado plano para briga política “Adalberto vigiado e combatido até a exaustão”, de acordo com informação avançada pela imprensa.

Albino Carlos, porta-voz do MPLA, garantiu ao Vanguarda que o partido dos camaradas não conhece este documento, pois de acordo com o político, o MPLA tem “coisas mais importantes com que se preocupar, acrescentando mesmo que, o partido “não está aqui para alimentar fake News” nem factos para distrair a opinião pública nacional e internacional.

Segundo o responsável, o MPLA está preocupado em resolver o problema da economia, organizar as suas estruturas e vencer os desafios políticos que se avizinham. “Não estamos aqui para alimentar campanhas de diversão. Temos um compromisso de nação neste País e é nisto que nos queremos dedicar”, diz.

Convidado pelo Vanguarda para rebater a posição do MPLA, o porta-voz da UNITA, Marcial Dachala, confirma a existência de uma “campanha bem estruturada”, para denegrir o bom-nome do presidente Adalberto Costa Júnior (ACJ).

Em tom acusador o político da UNITA disse que as “práticas dos alunos da ex URSS continuam” ressaltando que o País ainda não tem um regime democrático, lembrando ainda que, as práticas do passado não mudaram.

Quanto as acusações do político Abel Chivukuvuku, sobre o MPLA estar a inviabilizar a legalização do PRA-JÁ, Albino Carlos, chama isto de “manobra de diversão”. “Não queremos alimentar isso”, continuou referindo que, “a nossa grande preocupação neste momento resolver a economia e fazer com que as medidas económicas que estão a ser implementadas contribuam para atenuar o impacto terrível da COVID-19”.

O também membro do Comité Central do MPLA, reafirma o comprometimento daquele partido em resolver o problema da economia, de empregos dos jovens e das famílias carenciadas.

Quanto ao presumível descontentamento no seio da UNITA devido aos familiares do antigo presidente fundador do partido não integrarem a Comissão Política daquele maior partido na oposição, Marcial Dachala, considerou redondamente falso, pois recordou o político que o secretário das Relações Internacionais da UNITA é Rafael Massanga Savimbi, filho de Jonas Savimbi. “O secretário do património, Araújo Pena, é sobrinho do Dr. Savimbi; Esteves Pena, responsável pela Inspecção do partido, é sobrinho do Dr. Savimbi, a viúva do Dr. Savimbi, a mãe Catarina Ululi é membro efectivo da Comissão Política ao mesmo título”, desmente, para acrescentar que, “há ainda na mente de muitos, entre nós os resquícios de origem campesina que consiste em falar apenas com base em percepções”.

Referindo-se ainda a alegada campanha urdida contra Adalberto Costa Júnior, Marcial Dachala, considera o líder da UNITA “um pai de mão cheia” que tem uma “vida familiar estável”. Uma das estratégias que consta do presumível estudo elaborado pelo Comité Central do MPLA, para combater o adversário político do “galo negro”. “Isto também faz parte da campanha contra o presidente da UNITA e contra o próprio partido. É de boa educação não se intrometer na vida privada das pessoas”, aconselha.

Grau militar…

No tocante ao grau militar de Adalberto Costa Júnior, motivo de polémica, Marcial Dachala esclarece que o actual líder da UNITA foi patenteado ao grau de Brigadeiro pelo antigo presidente fundador do partido do “galo negro” na sua qualidade de Alto Comandante das ex FALA, tal como foram patenteados diplomatas, administradores, jornalistas e outros servidores abnegados à causa da UNITA. “Quanto ao seu grau de Brigadeiro, nós já produzimos uma declaração a este propósito”, lembra.

Texto do Vanguarda 

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here