Tecnologia: Relatório aconselha países a acelerar acesso à Internet com planos nacionais

1
595

O acesso à Internet pode ser acelerado se países em desenvolvimento e emergentes, como Brasil, Angola e Moçambique, elaborarem melhores planos nacionais para o desenvolvimento da banda larga, defende um relatório publicado hoje.

O Relatório da Acessibilidade, publicado anualmente pela Aliança para Internet a Preços Acessíveis (A4AI na sigla inglesa), defende, na edição deste ano, que políticas a longo prazo, como medidas fiscais, regulamentação e investimento público, podem impulsionar o progresso no sentido de uma maior acessibilidade e que falhas no planeamento podem frustrar boas intenções.

Os autores do relatório defendem que planos nacionais de banda larga podem contribuir para reduzir os preços e garantir um crescimento inclusivo das infraestruturas porque tornam os investimentos públicos mais eficazes, encorajam os investimentos do setor privado e criam novas parcerias e formas de supervisão.

“O que nós vemos, pela nossa experiência e investigação, é que, quando os países têm um plano bem feito e pensado, com bastante consulta com os vários atores no setor, faz diferença porque cria mais certeza no campo político e regulatório”, afirmou à agência Lusa a diretora executiva da Aliança, Sónia Jorge.

A ONU determinou que o mínimo de acesso deve ser um ‘gigabyte’ de dados com um custo de até 2% do rendimento, mas o relatório estima que mais de mil milhões de pessoas de 57 países não têm Internet, ou o acesso é limitado, seja pela falta de velocidade adequada (4G), seja pelo custo elevado.

Nos últimos anos têm-se registado melhorias, com destaque para África, mas em países como Malaui, Honduras e Nepal, um ‘gigabyte’ de Internet pode custar entre 6% a 16% do rendimento total de uma pessoa, ou mais, em lugares como a República Democrática do Congo.

A pandemia covid-19 veio aumentar a urgência de desenvolver o acesso à Internet nos países com mais necessidades nesta área, pois tornou-se numa ferramenta essencial para as pessoas trabalharem, terem aulas, obterem acompanhamento médico ou simplesmente comunicarem entre si.

“A pandemia covid-19 revelou a escala e as consequências da exclusão digital e evidenciou a necessidade urgente de encontrar soluções para a desigualdade digital”, refere o estudo.

O relatório inclui o Índice de Motores da Acessibilidade, que mede o progresso em 72 países em desenvolvimento e emergentes em termos de infraestruturas e acesso e no qual os mais bem classificados são a Malásia, Colômbia e Costa Rica.

A portuguesa Sónia Jorge referiu que o Brasil, em 12.º lugar, deu um passo importante ao aprovar o decreto lei em novembro do desbloqueio dos recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para investir nas infraestruturas de acesso à Internet.

“A nível legal, existiam imensas barreiras que estavam a criar dificuldades no país. É urgente desbloquear barreiras e beneficiar de investimento que está parado”, explicou.

Moçambique, em 51.º lugar, “tem vindo a tomar boas decisões para desbloquear barreiras a nível político e regulatório e apoiar o desenvolvimento do setor, com uma estratégia de banda larga bastante ambiciosa, considerando contexto socioeconómico”, disse Jorge.

Porém, menos de 10% da população a Internet com velocidades 4G e 60% está fora da rede.

Angola entrou este ano para o Índice, para a 58.ª posição, porque está sem um plano de expansão da Internet desde 2017.

A A4AI está sediada em Washington e faz parte da organização não-governamental Web Foundation, fundada pelo “inventor” da Internet, o britânico Tim Berners Lee.

1 COMMENT

  1. First of all, allow my family appreciate a persons command during this matter. Even though this is certainly brand new , nevertheless soon after registering your site, this intellect has exploded extensively. Allow all of us to take hold of ones rss to help keep in touch with at all probable messages Sincere understand but will pass it on to help admirers and my personalized are living members

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here