The Wall Street Journal: “China planeja base militar na costa atlântica da África”

0
196
A China está procurando criar sua primeira presença militar permanente no Oceano Atlântico, na costa da pequena nação africana da Guiné Equatorial, de acordo com uma reportagem do The Wall Street Journal baseado em informações confidenciais dos EUA.

Embora as autoridades não tenham descrito os planos da China em detalhes, eles disseram que a presença da China na costa atlântica da África aumentaria a possível ameaça aos EUA, já que daria aos navios de guerra chineses um lugar para se rearmar e reparar em frente à costa leste, relatou o Journal.

O general Stephen Townsend, que serve como comandante do Comando da África dos EUA, disse ao Senado em abril que a “ameaça mais significativa” da China seria “uma instalação naval militarmente útil na costa atlântica da África”.

“Por utilidade militar, quero dizer algo mais do que um lugar onde eles podem fazer escalas e obter combustível e mantimentos. Estou falando sobre um porto onde eles podem se rearmar com munições e consertar navios de guerra ”, acrescentou Townsend.

Jon Finer, o principal vice-conselheiro de segurança nacional do presidente Biden, viajou para a Guiné Equatorial em outubro em um esforço para convencer o presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo e seu filho o vice-presidente Teodoro “Teodorin” Nguema Obiang Mangue a rejeitar a proposta da China, informou o jornal.

“Como parte de nossa diplomacia para tratar de questões de segurança marítima, deixamos claro para a Guiné Equatorial que certas medidas potenciais envolvendo atividades [chinesas] aumentariam preocupações de segurança nacional”, disse um alto funcionário do governo Biden, ao jornal.

Obiang é o presidente mais antigo do mundo, tendo governado por mais de 40 anos. A Human Rights Watch e outros grupos reclamaram da “repressão implacável” da sociedade civil durante seu governo, junto com “a corrupção impressionante que drenou a riqueza do petróleo do país”.

Nos últimos meses, as tensões entre a China e os EUA aumentaram em meio a questões de direitos humanos, a pandemia de COVID-19 e preocupações com Taiwan.

Na semana passada, o secretário de Estado Antony Blinken alertou sobre as “terríveis consequências” se a China invadisse Taiwan e tomasse a ilha à força.

“Mas aqui, novamente, espero que os líderes da China pensem com muito cuidado sobre isso e sobre não precipitar uma crise que teria, eu acho, consequências terríveis para muitas pessoas, e que não seja do interesse de ninguém, começando pela China”, disse Blinken.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here