Governo de Angola prevê crescimento do “Produto Interno Bruto (PIB)” de 2,8% e inflação de 5,3% em 2024

O Governo de Angola prevê um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2,8% em 2024, como reflexo do crescimento do setor não petrolífero com uma taxa de 4,6% e uma inflação na ordem dos 5,3% no mesmo ano.

As projeções da economia angolana para o ano económico 2024 vêm descritas no relatório de fundamentação da proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2024, consultado hoje pela Lusa.

De acordo com este documento, que fixa despesas e estima receitas do OGE 2024 avaliadas em 24,7 bilhões de kwanzas (27,9 mil milhões de euros), a produção petrolífera, incluindo a produção de gás, neste ano deve cair 2,6%.

A proposta do OGE 2024 apresenta um saldo fiscal global superavitário de 17,4 mil milhões de kwanzas (19,6 milhões de euros), correspondendo a 0,02% do PIB, em resultado de receitas e despesas fiscais de 20,08% e 20,06% do PIB, respetivamente.

Segundo o documento, que fundamenta as opções de canalização de gastos públicos e consequente arrecadação de receitas, as necessidades brutas de financiamento, em 2024, estão avaliadas em 10 bilhões de kwanzas (11,3 mil milhões de euros), correspondendo a 13,7% do PIB.

As necessidades brutas de financiamento para o próximo ano, salienta o texto, traduzem-se numa redução de 1,1 pontos percentuais do PIB quando comparadas com a estimativa de fecho para 2023, na ordem de 14,7% do PIB.

Segundo o Ministério das Finanças de Angola, para a cobertura das necessidades de financiamento do OGE 2024, a estratégia de financiamento estará centrada na emissão de dívida pública no mercado interno, com emissões regulares de bilhetes e Obrigações do Tesouro.

A nível externo a estratégia de captação de recursos “concentra-se na contratação de financiamento em condições concessionais na visão da preservação da solidez da dívida e continuar-se-á a acompanhar a evolução dos mercados internacionais visando a identificação de oportunidades de captação de recursos”, salienta.

Pelo menos 57,8% do total da despesa do Orçamento para o exercício económico de 2024, estimado em 14,3 bilhões de kwanzas (16 mil milhões de euros), será alocado ao serviço da dívida pública, interna e externa.

O Ministério das Finanças angolano refere até finais de setembro de 2023 a dívida governamental aumentou em cerca de 54%, face ao observado no final de 2022, passado de 34,32 bilhões de kwanzas (38 mil milhões de kwanzas), em dezembro de 2022, para 52,87 bilhões de kwanzas (59 mil milhões de kwanzas) sem setembro de 2023, “influenciada pela forte depreciação cambial”.

Quanto à composição da dívida pública, em setembro passado, a dívida externa correspondia a 72,5% do total o equivalente a 38,33 bilhões de kwanzas (43,3 mil milhões de euros), um aumento em termos nominais de 57,7% face ao mês de dezembro de 2022.

“Contudo, importa ressalvar que a dívida externa, quando expressa em dólares, apresenta uma redução de 3,8%, passando 48,2 mil milhões de dólares (45 mil milhões de euros) para 46,4 mil milhões de dólares (43,7 mil milhões de euros) evidenciando-se o efeito negativo da desvalorização da moeda nacional sobre o stock da dívida”, observa-se no documento.

Em relação à dívida interna esta corresponde a 27,50% do total, ou seja, 14,54 bilhões de kwanzas (16,4 mil milhões de kwanzas). A dívida contratual, por sua vez, corresponde a 947,49 mil milhões de kwanzas (1 mil milhões de euros), ou seja, 6,52% da dívida interna.

A equipa económica do Governo angolano, tutelada pelo ministro de Estado para a Coordenação Economia, José de Lima Massano, remeteu na terça-feira à Assembleia Nacional (parlamento) a proposta do OGE 2024.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback

[…] Governo de Angola prevê crescimento do “Produto Interno Bruto (PIB)” de… […]

trackback

[…] ano, o setor não petrolífero deverá crescer em torno de 4,6%, prevendo-se um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global de 2,8%, devido ao impacto negativo do setor petrolífero, que deverá recuar […]

trackback

[…] das mais variadas dificuldades internas e externas, o executivo está a prever um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) não petrolífero de 4,6%, “algo expressivo” que tem como base forte a aposta no setor […]

trackback

[…] vai precisar de mais ajustamentos orçamentais para estabilizar os rácios da dívida face ao Produto Interno Bruto” (PIB), que é um dos principais indicadores usados para aferir a sustentabilidade da dívida de um […]

trackback

[…] Governo angolano prevê o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2,8% em 2024, como reflexo do crescimento do setor não petrolífero com uma taxa de 4,6%, e […]

trackback

[…] No documento apresentado ao plenário e de forma genérica pelo primeiro secretário de mesa da Assembleia Nacional, Manuel Dembo, a UNITA recorda que a Lei da Sustentabilidade das Finanças Públicas estabelece o limite de 60% do Produto Interno Bruto (PIB). […]

trackback

[…] um crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,8% em 2023, com a expansão económica a aumentar para 2,6% este ano, alicerçada no aumento […]

trackback

[…] um lado, esperávamos originalmente uma quebra do PIB petrolífero bastante mais acentuada, entre os 5% a 6%, mas a segunda metade do ano foi um pouco […]

trackback

[…] diz o UNDESA no relatório que aponta o aumento da dívida pública face ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e os “exorbitantes custos de endividamento” como um “significativo entrave às […]

trackback

[…] haver o risco de o MPLA “perder a maioria no parlamento”, nomeadamente porque “o PIB per capita tem estado em queda desde 2014 e só deverá voltar a crescer novamente em 2027, […]

trackback

[…] cenário macroeconómico previsto para Angola pela S&P aponta para um crescimento médio do PIB de 1,4% ao ano até 2027 num contexto em que os pagamentos de dívida ultrapassam os 10,1 mil […]

trackback

[…] à consolidação orçamental e ao facto de o aumento da inflação resultar num crescimento do PIB que ultrapassa a acumulação de […]

trackback

[…] à consolidação orçamental e ao facto de o aumento da inflação resultar num crescimento do PIB que ultrapassa a acumulação de […]

trackback

[…] De acordo com a nota do Banco Nacional de Angola (BNA) sobre a informação das estatísticas externas de 2023, consultada hoje pela Lusa, o saldo excedentário da conta corrente foi equivalente a 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB). […]

trackback

[…] outro lado, o rácio da dívida pública terá aumentado 19 pontos percentuais para cerca de 84% do PIB em 2023, refletindo a depreciação do […]

trackback

[…] dívida representa um peso muito grande no nosso Produto Interno Bruto“, disse Luís Cupenala, recordando que, em 2022, o volume de trocas comerciais atingiu 27,8 […]

trackback

[…] sejam cuidadosos quanto aos níveis de divida que contraem, tendo em conta que o rácio face ao Produto Interno Bruto (PIB) quase duplicou nos países de baixos rendimentos nos últimos dez anos, disparando de 30% para […]

trackback

[…] aprovou hoje a programação macroeconómica executiva (PME) para 2024, prevendo um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) na ordem dos 3%, acima da previsão inicial de 2,47%, apesar da queda de 3,22% do setor […]

trackback

[…] sentido, aponta a uma redução da subsidiação em 1% do PIB em 2024 e 2025, em vez dos 2% que o Governo inscreveu no OGE 2024. Mas como “não há […]