Líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior (ACJ) vai apresentar proposta sobre “autonomia de Cabinda” no parlamento

    O Líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior (ACJ) hoje que o partido vai levar à Assembleia Nacional uma proposta sobre a autonomia de Cabinda, manifestando-se disponível para dialogar com todos os atores cabindenses sobre a melhor solução.

    Adalberto da Costa Júnior falava hoje aos seus apoiantes no primeiro comício do ano, em Cabinda, região do norte de Angola, descontinuada geograficamente do território angolano e onde subsistem movimentos independentistas, que o Estado angolano não reconhece, como a Frente para a Libertação do Estado de Cabinda — Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC)

    O líder da UNITA, que manteve na sexta-feira um acalorado debate com ativistas cívicos e políticos e membros da sociedade civil cabindense destacou que defende a autonomia e que essa proposta vai ser materializada.

    “Quando chegámos, houve muita gente que nos criticou por que deveríamos primeiro ouvir e só depois anunciar, ok, tomámos boa nota e estamos de novo a atualizar as diversas opiniões”, declarou, acrescentando que deve ser ponderada que tipo de autonomia se pretende e “deve sair de uma negociação verdadeira e transparente, e não imposta”.

    O presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola assinalou por outro lado que muitos países abraçam a autonomia, o que é “normal desde que saia de um diálogo sincero, verdadeiro”, dando como exemplo África do Sul e São Tome e Príncipe, Portugal e Espanha, entre outros.

    Adalberto da Costa Júnior elogiou o povo de Cabinda e considerou que “se não existisse petróleo talvez todos estivessem melhor, porque este recurso é também motivo das nossas divisões”.

    O dirigente do parido do “galo negro”, lembrou que em 2025 Angola comemora 50 anos de independência e que há guerra já acabou á 20 anos e é necessário que acabem também os conflitos em Cabinda, apelando ao diálogo sem exclusão de ninguém.

    “Todas as áreas querem dialogar connosco, e nos estamos disponíveis”, frisou, insistindo que “aqui em Angola ninguém mais quer guerra”, mas sim “virar a página” de uma Angola pobre e sem direitos,

    “Angola precisa de uma nova liderança”, reforçou.

    0 0 votes
    Article Rating
    Subscribe
    Notify of
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    View all comments