Angola: A voz das religiões em tempos de coronavírus será importante

0
264

Todos nós sabemos que a religião foi vista e usada ao longo da história da humanidade como um instrumento ou arma de destruição, como ferramenta de colonialismo, opressão, ou supressão ou de ruptura, como ferramenta de libertação, transformação, reconciliação e cura.

Hoje, a voz das religiões nos tempos de Covid-19 é a de cura e manutenção de uma vida e condições de vida saudáveis.

Deixe-me explicar brevemente

Para começar, vou afirmar com firmeza e ousadia que Covid-19 não é uma doença causada por Deus para punir o ser humano por seus pecados.

Em vez disso, todas as pessoas religiosas ou comunidades de fé são chamadas a orar incessantemente e firmemente apegar-se à fé em Deus, ao mesmo tempo que reconhecemos que somos chamados a tomar medidas mais radicais para cuidar uns dos outros, de nós mesmos e da sociedade em que vivemos nacional e internacionalmente porque a Covid-19 não é local, mas é o global.

Esta situação exige nossa solidariedade e responsabilidade, atenção plena, cuidado e sabedoria. Esta situação exige também os nossos sinais de fé, esperança e amor.

Precisamos uns dos outros agora como irmãs, irmãos, colegas e amigos para apoiar uns aos outros na reorganização de nosso trabalho, mas também precisamos do apoio um do outro mental e espiritualmente.

É um meio para as comunidades religiosas afirmarem o lugar da religião no espaço público. O Deus da Vida exige que percebamos que vivemos no espaço público e, consequentemente, estamos sujeitos às leis e regulamentos emitidos por seu governo.

Igrejas, templos e mesquitas apoiarão os esforços do governo que promovem e protegem a vida.

Consequentemente, todas as pessoas de fé devem apoiar os regulamentos de saúde pública e apenas os esforços para impedir a propagação deste vírus que afecta todos os seres humanos sem discriminação.

Essas comunidades religiosas também são chamadas a dar o exemplo de adesão responsável às políticas públicas.

Às vezes, eles até pressionam os governos locais e nacionais para aumentar as restrições ao movimento e reuniões, a fim de proteger os mais vulneráveis e os idosos. Essas ações devem ajudar e proteger a sociedade e os sistemas de saúde de serem sobrecarregados.

Portanto, como pessoas de fé, somos chamados a orar pelos pesquisadores que buscam um tratamento.

Oremos por todos os médicos e irmãs, que entram em contacto com o vírus diariamente, e expressemos continuamente nossa gratidão a eles por meio da oração e seguindo suas orientações como “fique em casa e com saúde” ou que a Igreja ou o Templo ou o A mesquita é o local de proteção da vida humana e não centros de transmissão e estações de transmissão.

Ao orar e ter fé firme no Deus Vivo, o Criador de toda a vida humana exige de todos os cristãos,  muçulmanos,  hindus, bons e fiéis que mantenham o distanciamento físico e social e evitem a companhia de mais de dez pessoas na Igreja, em locais religiosos, nos desportos, danças culturais, coros, lojas, bancos, etc. Em suma, quando ditam os protocolos médicos, o bem-estar dos vizinhos vulneráveis é melhor servido por não se reunir.

Portanto, Deus espera de nós, como cristão, muçulmano, fiel, que ore para que esta Covid-19 não seja prolongada, para uma rápida recuperação daqueles que estão seriamente aflitos e para que a propagação da pandemia chegue ao fim. Em particular, seja amigo mesmo dos “menos” entre nós, nomeadamente os pobres, os vulneráveis, os idosos, e encontre formas de ajudar directamente os doentes, para ajudar as suas famílias e filhos.

Ao mesmo tempo, vamos abraçar e apoiar as ousadas diretrizes e assistência dada pelo nosso Governo na República de Angola. Resumindo, obedeça aos conselhos e recomendações práticas oferecidas por as autoridades de saúde inter-governamentais e governamentais para ajudar a proteger os vulneráveis em nossas comunidades.

Finalmente, este é o momento de tocar o coração um do outro, pelo que dizemos, pelo que compartilhamos, pelo que fazemos – e pelo que não fazemos – para proteger a vida que Deus tanto ama. Nesse amor, devemos adaptar nossos modos de adoração e comunhão às necessidades deste tempo de pandemia, a fim de evitar o risco de nos tornarmos fontes de transmissão ao invés de meios de graça.

Expresso de maneira diferente, em tempos de uma pandemia global como a Covid-19, é sábio não se reunir em um local para adoração como uma expressão de compaixão e solidariedade.

Não diminui nossa adoração, mas incorpora a adoração de uma nova maneira. Não nos faz ser menos igreja ou menos religiosos ou mesmo nos colocar em uma categoria de pessoas que negam a existência de Deus, mas totalmente igreja ou totalmente comunidades religiosas.

Este é o paradoxo da compaixão que acompanha a actual pandemia de Covid-19. Este é o paradoxo, permanecer juntos enquanto fisicamente distantes.

Portanto, faça as seguintes orientações para estar vivo amanhã, reze, mantenha o distanciamento social, conte com a Organização Mundial da Saúde como autoridade global em questões de saúde, lave as mãos com frequência, pratique higiene.

 Temba Museta

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here